downloadBrasília, 10 de fevereiro de 2015 – O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), pretende votar nesta terça-feira (10/2) o segundo turno do chamado Orçamento Impositivo, que obriga o governo a tirar do papel as emendas dos deputados ao Orçamento. Anunciada para a noite de ontem, a votação não foi possível por falta de quórum. A pauta é sensível ao governo, por implicar em um engessamento das despesas.

Após reunião na presidência da Câmara, Cunha e o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), anunciaram a intenção de pôr em marcha medidas com potencial para aumentar gastos da União. Renan disse que “existe a intenção” de garantir emendas aos novos parlamentares já em 2015. Cunha, por sua vez, afirmou que trabalhará pela criação do “impositivo das emendas de bancada”, embora o projeto não tenha sido apresentado ainda.

A bancada do PMDB se reúne na manhã de quarta-feira para decidir quem ocupará a liderança do partido na Câmara. Ao todo, oito peemedebistas chegaram a se colocar como candidatos. Na noite de ontem, um grupo de cerca de 30 deputados do partido participou de reunião a portas fechadas para tentar acordo em torno de um nome. Entre os cotados, estão Manoel Júnior (PB) e Lúcio Vieira Lima (BA). O escolhido deve seguir na disputa contra Leonardo Picciani (RJ), que conta com o apoio de outros 30 parlamentares.

Segundo peemedebistas, a definição do novo líder pode influenciar na sucessão de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) como presidente da Casa, no começo de 2017.