download (1)Brasília, 15 de abril – As previsões do mercado sobre a situação fiscal do governo neste ano e no próximo pioraram mais uma vez, de acordo com dados do relatório mensal Prisma Fiscal, do Ministério da Fazenda, divulgado nesta quinta-feira (14/04). Nos dois casos, o rombo será maior que R$ 100 bilhões.
A mediana das estimativas para este ano do resultado primário do governo federal, sem incluir estados, municípios e estatais, passou de um rombo de R$ 79,5 bilhões, em março, para R$ 100,4 bilhões, este ano, acima da previsão máxima de deficit de R$ 96,6 bilhões da proposta do ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, encaminhada ao Congresso Nacional para acabar com a meta fiscal e criar uma banda flexível. Será o terceiro ano seguido de deficit nas contas públicas.

Esse resultado ficará muito distante da meta atual do governo central é de um superavit primário (economia para o pagamento dos juro da dívida pública) de R$ 24 bilhões e para o setor público, de R$ 30,5 bilhões.

Conforme as previsões do Prisma, em 2017, o governo federal continuará com rombo nas contas públicas e ainda maior que o deste ano: R$ 103,5 bilhões. Em março, a mediana das estimativas era de deficit R$ 71,3 bilhões.

Não à toa, as projeções para a dívida também ficaram piores. A mediana das estimativas do mercado para a dívida pública bruta em relação ao PIB deste ano, passou de 74,15%, em março, para 74,35%, em abril, com máximas de até 79% do PIB. Já para 2017, a taxa esperada para a dívida pública bruta subiu de 78,75% para 80% do PIB, nível considerado insustentável para os especialistas.