downloadBrasília, 13 de fevereiro – Os temores de que o país voltasse à recessão se confirmaram. Em 2014, mesmo com o governo tendo turbinado gastos para fortalecer a candidatura da presidente Dilma Rousseff (PT) à reeleição, a economia patinou. Números divulgados ontem pelo Banco Central (BC) indicam que a riqueza produzida por famílias e empresas encolheu 0,15% no ano passado. O resultado, medido pelo Índice de Atividade Econômica do BC (IBC-BR), denuncia a paralisia que se alastra por todo o país. E sugere que o Produto Interno Bruto (PIB), que será divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), também virá no terreno negativo.

Pelos números do BC, o país já está em recessão. E, a julgar pela intensidade da queda, o último ano do primeiro mandato de Dilma terá sido desastroso em termos de desempenho da economia. O tombo registrado em 2014 foi o segundo maior em uma década e só ficou atrás da contração verificada em 2009, quando o IBC-BR encolheu 1,25%. Naquele ano, a medição oficial do PIB indicou retração de 0,3%.

A diferença nos resultados se deve a metodologias diferentes de cálculo. Enquanto IBGE avalia praticamente todos os setores econômicos, o IBC-BR monitora o comportamento de um conjunto limitado de ramos de atividade, além do recolhimento de impostos por empresas e famílias. Apesar de mais simplificado, o cálculo do BC produz uma fotografia muito semelhante à captada pelo IBGE. Levantamento feito pelo Correio mostra que, nos últimos 10 anos, a distância entre os dois indicadores foi de apenas 0,04 ponto percentual. Em média, o crescimento da economia medido pelo IBC-BR foi de 3,23%, enquanto que o do PIB foi de 3,19%.